Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Calango

Perto daqui mora um calango velho. Já está até meio gordo. Não chamo de idoso porque seria mera formalidade. Calango é quase gente, até balança a cabeça pra concordar. Gente tem alma, mas o corpo tem prazo de validade. Este calango, por exemplo, já anda lento. Já não corre mais como dantes, mas ainda assim não parece se importar. É ousado! Volta e meia eu o encontro no meio caminho. Faz parte de sua rotina, eu acho que já virou hábito. Que nem velho que senta na porta de casa pra ver o movimento da rua. Daí quando o calango vê "pé de gente" sai do meio do caminho e corre pro mato. Mas aí já viu, sai correndo bem devagarzinho. A gente envelhece e fica propositalmente vulnerável. Como se não houvesse mais nada a perder. Ou talvez seja por uma certa inocência da idade. O que eu particularmente acho bem difícil, mas não impossível. Até porque inocência não é que nem catapora que só ataca a gente uma vez na vida. Quando o mundo muda e a gente não acompanha o passo a gente vira c…

Últimas postagens

Meu psicólogo não me escuta

Ser Desumano

Reamos!

Socorro

Formigamento

O Inventor do Walkman

O poder de dar nomes

Elogio à Psicopatia

Segurando o choro

Esta não é uma série sobre suicídio

Minha foto
Um pecador salvo pela graça de Deus, esposo de uma mulher cuja alma é semelhante a um carvalho, psicólogo apaixonado pela psicologia de Fiodor Dostoievski, Ingmar Bergman e Andrei Tarkovsky.